segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

“Não saia da porta!!!!” 
TEXTO:
Atos – 1:1 a 8
INTRODUÇÃO
Esta é uma mensagem que vai abrir seus horizontes espirituais, e também edificará sua vida diante das mais adversas situações, e deixará você no lugar certo na hora certa,Porta é lugar de passagem, local onde pessoas passam a pé, ou em suas conduções, conduzem animais, pois a porta pode ser estreita ou ser grande se tornando uma porteira, mas ainda virá do original porta.
O próprio Jesus disse: Eu sou a Porta, e que entrar por mim encontrará pastagem (Jo 10:09).
Depois de ler esta mensagem você terá outra concepção do que é a porta na vida do crente, e suas atitudes deverão mudar, uma vez se verdadeiramente alimentares da Palavra de Deus terá sucesso.
Não saia da porta, este será nosso assunto hoje.
A PORTA NA VIDA DE DEMÉTRIO
O texto que acima está enfatizado nos fala de um homem que era coxo desde o ventre de sua mãe. Então vamos conjecturar juntos como teria sido a vida desse rapaz que segundo a história se chamava Demétrio.
Demétrio nasceu coxo, ou seja, aleijado de ambos os pés, e assim cresceu, tendo uma vida difícil, pois dependia de outras pessoas para realizar muitas de suas necessidades básicas, e com o passar dos tempos ele viu que tinha a necessidade de ter alguma renda, então Demétrius começou a pedir esmolas. Segundo a história Demétrio era crente, firme na palavra, mas como um cristão, creio que ele tinha um propósito de somente entrar na Igreja quando sua deficiência fosse curada.
Os versículos nos revelam que todos os dias ele era colocado na porta do templo, que por ironia era chamada formosa, talvez uma revelação da fé de Demétrio, mas naquele dia algo iria acontecer na vida de Demétrio, mas ainda ele não sabia, mas creio que já no espírito ele podia sentir.
Segundo a bíblia era três horas da tarde (a hora nona), e o coxo Demétrio, já estava lá desde a manhã pedindo esmola e já conhecia a todo que ali passavam para assistir o culto da manhã, o culto do meio dia, e todos também conheciam a Demétrio, alguns davam esmolas, e outros apenas o cumprimentavam dizendo “a paz irmão”, Outros que não davam e até viravam a cara e Demétrio sabia que nem dízimo eles davam, quanto mais a esmolinha do coxo. Outros diziam bom dia irmão, e ele dizia a minha parte eu quero em moedinha. Demétrio era conhecido de todos e todos conhecidos de Demétrio.
Fico a imaginar a luta que não foi para Demétrio naquele dia para chegar até a porta da Igreja, quantas investidas o diabo deu para impedir que Demétrio fosse para a porta formosa, pois o cão deve ter observado o azeite em Pedro e João.
De repente Demétrio olha e vê dois irmãos vindo na direção da Igreja, era o irmão Pedro e o irmão João. Mas naquele dia Pedro e João não estavam no azeite, o azeite é que estava neles.
Creio que Pedro cutucava João e dizia, “vamos logo João, hoje eu estou sentindo que Jeová vai operar maravilhas”. Chego a crer que João e Pedro foram a passos largos naquele dia para a Igreja tamanho era a unção que estavam, que nem se lembraram da oferta e da esmola do amigo Demétrio.
Então quando Demétrio vê a Pedro e João se aproximando ansiosamente ele estende sua mão esperando receber alguma coisa, diz o versículo 5. Bom! Se Demétrio esperava receber alguma coisa, é certo pensar que Pedro e João costumavam dar esmolas a Demétrio quando por ali passavam e por isso ele esperava receber uma moeda, mas naquele dia Pedro e João não tinham prata nem ouro, mas tinha um tal de levanta e anda, em nome de Jesus o Nazareno. Então Demétrio se pôs em pé e segundo a história ele gritava: “chegou o dia de entrar na casa do Senhor”, e segundo a Bíblia ele entrou saltando e glorificando ao Senhor.
Mas eu queria dizer uma coisa. E se naquele dia em que não tinha prata e nem ouro, mas tinha o levanta e anda, e Demétrio não estivesse na porta, já pensou! Ele perderia a sua benção.
Por isso eu te digo irmão não saia do local da benção, fique firme no lugar que o Senhor te colocou, a benção vai chegar, espere no Senhor, Ele não falha, pois Ele é Deus, tão somente NÃO SAIA DA PORTA.
A PORTA NA VIDA DE MARDOQUEU
Irmãos, em matéria de porta não tem coisa mais linda do que esta que vou lhe contar, registrada na Bíblia sagrada.
O livro de Ester nos relata que após Ester se tornar rainha de Assuero, seu primo, Mardoqueu, que a criou desde pequenina, todos os dias ia para a porta do palácio e ali ficava. Conta nos a bíblia que um tal Hamã, parente mais próximo “do coisa ruim”, “do cão”, e príncipe do reino, todos os dias passava pelo local e começou a tomar raiva de Mardoqueu, pois todas as vezes que passava o judeu Mardoqueu não se curvava para ele. Assim é o verdadeiro crente, só tem joelho para Jeová, e acredite se quiser, tem crentes que se curva para horários das novelas, tem crente que se curva para a mulher do vizinho, tem crentes que se curva para o cigarro e até para a cachaça.ETC.
Todos os dias às dez horas da noite, um dos guardas subia ao arauto e tocava uma corneta anunciando o toque do silêncio e pela manhã novamente ele tocava seu instrumento anunciando a alvorada, porém certo dia já cansado Mardoqueu pegou no sono e não ouviu o toque de silêncio, mas acordando na madrugada ele ouviu dois homens tramando a morte do rei Assuero, e rapidamente chamou o chefe da guarda que os prendeu sendo ambos enforcados e registrou o fato no livro das crônicas.
Mardoqueu era diferente, ele era duro na queda, dobrar-se, só diante de Jeová. Porém um dia Hamã, chega em casa e conta para sua esposa, que era outra cobra do cesto do cão, sobre o judeu, e ela o orienta a fazer uma forca e pedir para o rei que lhe autorizasse a matar o judeu, pois ele, Hamã, era amigo do rei e o rei atenderia seu pedido.
Naquela noite Hamã perdeu o sono, tramando seu plano para matar o judeu na forca que havia feito tendo 50 m de altura. Lá no palácio, diz a Bíblia que fugiu do rei o sono (6:1), ou seja, era plano de Jeová. E passeando pelo palácio ele manda trazer algo para ele ler, e adivinha o que lhe trouxeram, isso mesmo, O Livro das Crônicas, e folheando o livro o rei Assuero lê que certo dia um judeu chamado Mardoqueu salvou sua vida. Então ele pergunta: O que foi feito ao homem que salvou minha vida? e lhe informaram que nem muito obrigado lhe foi dado, e o rei resolve exaltar a Mardoqueu.O dia amanhece, e bem cedinho lá vem Hamã com seu plano sórdido, sorrindo até a orelha, e adivinha quem ele encontra na porta do palácio, isso mesmo, o judeu Mardoqueu. Hamã entra no palácio e quando ele chega até o rei, o rei Assuero lhe diz: Hamã, o que eu devo fazer para um amigo que eu quero exaltar e honrar? E Hamã pensando que o rei falava dele (6:6) começa dar orientações ao rei de como proceder para com o sortudo, agora olha o que ele disse: Para o homem a quem o rei se agrada honrar, sejam trazidos trajes reais que o rei tenha usado, e o cavalo em que o rei costuma andar, e ponha-se-lhe na cabeça uma coroa real; sejam entregues os trajes e o cavalo à mão dum dos príncipes mais nobres do rei, (ia ser ele mesmo) e se proclame a todos, este é o homem a quem o rei se agrada honrar, e façam-no andar montado pela praça da cidade, e proclamem diante dele: Assim se faz ao homem a quem o rei se agrada honrar!(6:7,8,9). Após ouvir atentamente as coisas que Hamã disse, então o rei Assuero se vira a Hamã e lhe agradece por tão sábias palavras e lhe diz que tudo o que ele disse, ele mesmo se encarregue de fazer ao judeu Mardoqueu. Mas e se Mardoqueu não estivesse na porta na hora que o rei mandou Hamã lhe chamar?
CONCLUSÃO
Muitas vezes somos tentados a sair do local da benção e assim deixamos de conseguir aquilo que desejamos e que o Senhor quer para as nossas vidas.
Talvez agora você entenda o porque de você estar passando por estas lutas; talvez agora você compreenda o porque tem passado por esta tempestade. tudo isso é para você sair do local da benção, fique aí, não esmoreça.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Mel na carcaça de um leão morto.
Sansão foi levantado por Deus num tempo de opressão. Seu nascimento foi um milagre. Foi consagrado a Deus como nazireu desde o ventre. Tornou-se um portento. Sua força era colossal. Era um jovem prodígio, um verdadeiro gigante, homem imbatível. Seu único problema é que não conseguia dominar seus impulsos. Um dia viu uma jovem filisteia e disse a seu pai: “Vi uma mulher em Timna, das filhas dos filisteus; tomai-ma, pois por esposa, porque só desta me agrado” (Jz 14.2,3). Seu pai tentou demovê-lo, mas Sansão não o ouviu.
Certa feita, caminhando pelas vinhas de Timna, um leão novo, bramando, saiu ao seu encontro, mas Sansão rasgou esse leão como se rasga um cabrito. Depois de alguns dias passou pelo mesmo local e foi dar uma olhada no corpo do leão morto. Estava ali, na carcaça do leão, um enxame de abelhas. Sansão pegou um favo de mel nas mãos e se foi andando e comendo dele (Jz 14.8,9). Sansão era nazireu e não podia tocar em cadáver. Ele quebrou, ali, o primeiro voto de sua consagração a Deus. Ele procurou doçura na podridão. Ele comeu mel da carcaça de um leão morto. Muitos ainda hoje buscam prazer no pecado e procuram doçura naquilo que é impuro. Por isso, perdem a unção, a paz e a intimidade com Deus.
A Bíblia diz que um abismo chama outro abismo Salmo 42:7. Porque Sansão quebrou o primeiro voto do nazireado, abriu a porta para outras quedas. Na festa de casamento, com vergonha de assumir sua posição de nazireu, Sansão fez ali um banquete; porque assim o costumavam fazer os moços (Jz 14.10). Sansão preferiu imitar os moços de sua época a posicionar-se como um ungido de Deus. Além de não tocar em cadáver, um nazireu não podia beber vinho. Mas, Sansão quebrou mais esse voto de consagração por não ter peito para ser diferente e fazer diferença. Daí para frente, sua vida foi de queda em queda. Coabitou com uma prostituta em Gaza (Jz 14.1) e afeiçoou-se a Dalila (Jz 14.4). Essa mulher astuta o seduziu e arrancou dele a confissão acerca da origem de sua força. Um nazireu não podia cortar o cabelo, mas a cabeça de Sansão foi raspada. Esse jovem prodígio perdeu sua força. O Espírito Santo retirou-se dele. Caiu nas mãos dos filisteus. Estes, lhe vazaram os olhos e escarneceram dele num templo pagão.
Sansão brincou com o pecado e o pecado o arruinou. Sansão não escutou conselhos e fez manobras erradas na vida. Sansão fez pouco caso de seus votos de consagração e perdeu o vigor de seu testemunho. Perdeu sua força e sua visão. Perdeu sua dignidade e sua própria vida. Vocacionado para ser o libertador do seu povo, tornou-se cativo. Porque desprezou os princípios de Deus, o nome de Deus foi insultado num templo pagão por sua causa.

A vida de Sansão é um brado de alerta para a nossa geração. Há muitos, que à semelhança de Sansão, não escutam seus pais e muito menos seus pastores(a). Muitos, mesmo sendo consagrados a Deus, filhos da promessa, vivem flertando com o mundo, amando o mundo, sendo amigos do mundo e conformando-se com o mundo, procurando mel na carcaça de leão morto. Muitos crentes têm perdido a coragem de ser diferentes. Imitam o mundo em vez de serem luz nas trevas. Fazem suas festas como o costumam fazer aqueles que não conhecem a Deus. Transigem com os absolutos de Deus e entregam-se às aventuras, buscando uma satisfação imediata de seus desejos. Esse caminho, embora cheio de aventuras e prazeres, é um caminho de escuridão, escravidão e morte. O pecado é um embuste. Promete prazer e traz tormento. Promete liberdade e escraviza. Promete vida e mata. O pecado levará você mais longe do que gostaria de ir; reterá você mais tempo do que gostaria de ficar e, custará a você um preço mais do alto do que gostaria de pagar.


Bispo Anderson Camargo.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Nosso Domingo Foi Assim na nossa Sede Igrejaunidos Emuma Sófé...Dois Cultos Lotados ás 8 e 19:hs...Domingo da Salvação e do Fortalecimento Espiritual...Gloria a Deus...Testemunhos,Louvor.Orações e Palavra Jõao 2... Porque o Vinho Acaba ?...Exatamente para colocarmos ELE em Primeiro Lugar....Tome Posse da Sua Vitória...Amém...!!!!.....















quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

As lágrimas de Esaú - Hebreus 12:17.
O arrepender-se geralmente é seguido por lágrimas, é que o choro expressa toda profundidade de nossas dores, quando se esgotam as palavras e o íntimo se esforça na necessidade de pôr para fora aquilo que já não cabe no ser. É difícil se manter imparcial ou insensível diante de quem chora. Depende?. Pode depender da veracidade e intencionalidade do choro. O livro de Hebreus cita um exemplo de choro que não comoveu, foi rejeitado e ignorado: o choro de Esaú, irmão gêmeo de Jacó.
“E ninguém seja devasso, ou profano, como Esaú… que, querendo ainda depois herdar a bênção, foi rejeitado, porque não achou lugar de arrependimento, ainda que com lágrimas o buscou”. Hebreus 12:16-17.
Que verso tão desanimador! Será que mesmo tendo chorado e clamado, Deus não perdoou a Esaú? Se interpretarmos dessa forma, significará que não há esperança de perdão para muitas pessoas que agiram ou agem como Esaú. Ele desprezou a benção de Deus, negociou sua primogenitura reduzindo-a a um prato de lentilhas. E quando percebeu que seu irmão seria mais abençoado que ele, implorou ao pai para desfazer a benção dada ao irmão.
“ E disse Esaú a seu pai: Tens uma só bênção, meu pai? Abençoa-me também a mim, meu pai. E levantou Esaú a sua voz, e chorou.” Gênesis 27: 38
Creio que seja justo fazer a ligação entre o verso de Hebreus e o que aconteceu na casa de Esaú no dia do seu choro, de suas lágrimas. Seu arrependimento foi em relação a não ter recebido a benção, em ter negociado com Jacó, quanto a isso, não havia mais como voltar atrás. Seu pai Isaac manteve a decisão de conceder a Jacó o poderio e as riquezas tanto espirituais quanto materiais. O choro de Esaú pode não ter tido o efeito esperado, porque Isaac nunca esquecerá o que Deus havia falado sobre os irmãos, antes de haverem nascido:
" Disse-lhe o Senhor: Duas nações estão em seu ventre;já desde as suas entranhas, dois povos se separarão; um deles será mais forte que o outro,mas o mais velho servirá ao mais novo". Gênesis 25:23.
Nesse aspecto o que Esaú buscou não foi o arrependimento de mudança de coração, de receber perdão de Deus por ser profano e devasso, querendo mudar de vida e atitudes. O arrependimento que Esaú buscou foi o de recuperar o que havia perdido.
Arrependimento = metanoeo (Strong 3340) de meta (depois) e noeo (pensar), uma decisão que resulta em mudança de comportamento, objetivos e ações. Referência, Mateus 3:2: “Arrependei-vos porque é chegado o reino dos céus” e Atos 3:19 "Arrependei-vos ... e se convertam, para que os vossos pecados sejam apagados"
Gosto da versão Bíblica New Living Translation que diz:
"Você sabe que depois, quando ele quis a bênção de seu pai, foi rejeitado. Mas era muito tarde para o arrependimento, embora ele tenha implorado, com lágrimas amargas." Hebreus 12:17
Fica claro que quem rejeitou o arrependimento de Esaú, não foi Deus, mas seu pai Isaac. E que esse arrependimento não tinha fundamento agradável a Deus, mas servia aos interesses pessoais e profanos de Esaú. Assemelho o sentimento de perda de Esaú ao de Judas Iscariotes, que traiu Jesus. Algumas versões dizem: "Então Judas, o que o traíra, vendo que fora condenado, trouxe, arrependido, as trinta moedas de prata aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos." Mateus 27:3. Outras versões dizem que "Judas sentindo remorso foi devolver as moedas". Afinal o que sentiu Judas?
A palavra remorso tem origem latina, vem de remorsus, particípio passado de remordere, que significa tornar a morder. Liga-se, portanto, a dilacerar, atacar, satirizar, ferir, torturar, atormentar.
Digo que a interpretação correta é que Judas sentiu remorso, foi torturado, afligido, angustiado por ter traído Jesus. E esse estado tão desesperador o levou a tirar a própria vida. Judas, a exemplo de Esaú, não se arrependeu para Deus, mas para si mesmo. Seu tormento pode ter sido originado por pressão demoníaca, condenação pessoal, distanciamento de Deus e outros.
Mais considerações sobre as lágrimas de Esaú:
Há situações que não podem ser mudadas, por isso, é tão importante pensar nas consequências de nossas escolhas. Esaú não pôde mudar sua decisão quanto a benção de primogenitura, sofreu as consequências. Contudo, ele poderia mudar seu futuro, ao mudar sua atitude em relação ao passado. Um caminho que restauraria a vida e as escolhas de Esaú seria a conciliação com Deus, um novo começo. Se não for possível mudar o passado, uma nova atitude em relação a esse passado transformará o futuro.
Deus está disposto a perdoar todo o que se arrepende e a qualquer tempo, pois não pode negar a Sua própria Palavra que diz: “Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, Ó Deus” Salmo 51:17.
Deus perdoa o que pecou por ignorância, desconhecimento de Sua vontade (Atos 17:30) e também aquele que mesmo conhecendo a Deus caiu em condenação, como diz Apóstolo Pedro, "o cão pode se lambuzar em seu próprio vômito":
"Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado; Deste modo sobreveio-lhes o que por um verdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seu próprio vômito, e a porca lavada ao espojadouro de lama." II Pedro 2: 21,22.
Porém, é importante considerar que Deus não sente prazer nem na morte do ímpio, nem na apostasia, antes Ele é longânime e se apraz em perdoar. A parábola do filho pródigo Lc 15: 11 e 12 segue até o verso 32.revela bem essa bondade Divina. Deus é um Pai amoroso que permite sim que os filhos sofram as consequências de suas escolhas, pois todos temos liberdade para decidir entre bem e mal, mas a partir do momento em que nos arrependemos com todo o coração, Ele nos recebe,sem reservas.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

                Quatro Ordem de Deus á Jacó. 
      Postura,Direção,Perseverança e Comunhão.
 As Quatro Ordens de Deus á Jacó.
Gênesis 35:1
Depois disse Deus a Jacó: Levanta-te, sobe a Betel, e habita ali; e faze ali um altar ao Deus que te apareceu, quando fugiste da face de Esaú teu irmão.
Introdução: Talvez esse foi um dos momentos mais difíceis da vida de Jacó, e foi justo nesse momento que Deus encontrou a oportunidade para mudar a vida de Jacó para sempre.
É nos momentos mais difíceis da nossa vida que Deus sempre se revela para nos confortar e nos dar uma experiência com Ele.
Significado do nome de Jacó – Aquele que agarra
Mas para que a bênção de Deus se manifestasse na vida de Jacó ele teve que obedecer quatro ordens.
1- Levanta-te: Deus quer uma nova ``POSTURA´´Jacó não estava prostrado fisicamente, mas sim espiritualmente, aquele momento era de dificuldade para ele, e Deus não queria ver Jacó prostado diante das dificuldades e sim de pé.
Deus não quer que nos prostremos diante das dificuldades, Deus nos quer como um valente soldado na guerra pronto para pelejar contra as intempéries desta vida.
Levante-se, Esforça-te e tem bom animo, porque o Senhor é Contigo.
Não deixe as circunstâncias da vida baixar a sua cabeça.
2- Vai até Betel: Deus quer nos dar uma ``DIREÇÃO´´
a- Para que a bênção Deus se manifeste temos que estar atentos a direção que Deus esta nos dando.Quando estamos na direção de Deus, por mais espinhoso que seja o caminho, podemos ter a certeza que a vitória é certa.
b- Betel significa “Casa de Deus” ou seja o lugar aonde Deus escolheu para nos encontrarmos com Ele.
Betel é o lugar da intimidade, da adoração, Betel é o lugar aonde podemos derramar a nossa alma diante de Deus.
Exemplo: Ana, mãe de Samuel e Asafe no Salmo 73
3- Habita ali: Deus quer ``PERSEVERANÇA.
Não adiantaria nada Jacó chegar a Betel e no mesmo dia voltar embora, Deus queria que Jacó permanecesse naquele lugar.
Deus quer que permanecemos no lugar que ele preparou pra nós.
Temos que ser firmes e constantes muitas pessoas deixam de desfrutar das bênçãos e da graça de Deus por não permanecerem na Betel de Deus.
4- Edifica um altar: Deus quer ``COMUNHÃO´´
O altar é lugar máximo da nossa intimidade com Deus, altar significa sacrifício, renuncia e adoração.
Todos nós temos que edificar altares, pois o altar é a marca da nossa comunhão com Deus.
Conclusão:
Havia um propósito de Deus na vida de Jacó, mas para que esse propósito se realizasse Jacó teve que obedecer a essas quatro ordens que Deus lhe deu.
Façamos como Jacó para que a bênção de Deus seja manifesta nas nossas vidas.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Havia um galinheiro na casa de Anás e de Caifás ? Que galo cantou quando Pedro negou a JESUS se não havia Galos Naquela Região ?
Mateus 26. 69-75 e textos paralelos descritos nos outros evangelhos apresentam uma das mais fascinantes histórias da vida de Pedro, dicípulo do amado Mestre. Costumeiramente, tem se aceito com toda naturalidade que o ´´ CANTO DO GALO´´ referido por JESUS quando falou antecipadamente que Pedro o trairia, era realmente o cantar de um galo, uma ave. No entanto, pode perfeitamente ser que o canto do galo não fosse o canto de uma ave; e desdo começo não pretende significar isso.
Acima de tudo, a casa do Sumo Sacerdote estava no centro de Jerusalém. E, certamente, não haveria um galinheiro no centro da cidade. De fato, havia uma regra na lei judaica que era ilegal ter galos e galinhas na cidade santa, porque eles sujavam as coisas santas. Jerusalém era tida como uma cidade santa e as galinhas sujariam a cidade por questões higiênicas. De acordo com o Baba Qama 7.7 era proibido ´´ criar galinhas em jerusalém por causa das coisas santas´´.
Por isso, havia uma ordem rabínica seguida a risca pela população: essa ordem era contra qualquer criação ou manutenção de galos ou galinhas dentro das muralhas da cidade santa.
O que o texto quer dizer com o ´´Canto do Galo´´ ?
O segredo todo está na forma em que os romanos dividiam a noite. Esta era dividida em quatro vigílias de aproximadamente 3 horas cada uma:
A) Prima vigília: do pôr do sol até as 9 horas, também chamada de vigília do entardecer.
b) Secunda vigília: das 9 horas á meia-noite, chamada vigília da meia noite.
C) Tertia: vigília: de zero Hora as 3 horas, também conhecida como vigília do canto do galo.
D) Quarta vigília das três horas até a aurora, chamada de vigília do amanhecer.
Essas quatros vigílias determinavam o período das três horas do serviço da guarda romana. Os judeus inicialmente dividiam a noite em três vigílias: a Primeira, ´´ Princípios da vigílias´´ ( lamentações 2.19), ia desde o sol posto até as 10 horas da noite;
a segunda vigília média ou da meia-noite (juizes 7.19) principiava as 10 horas da noite e prolongava-se até as duas horas da madrugada;
e a terceira a ´´vigília da manhã (1 samuel 11.11 ) desdes as duas da manhã até ao renascer do sol. No entanto, em tempos posteriores, na época do império romano a noite passou a ser dividida, segundo o costume dos romanos, em quatro vigílias (desde as 6 horas da tarde as 6 horas da manhã), de três horas cada um ( Mateus 14.25 e Lucas 12.38)
Em Marcos (13.35), e as quatros vigílias são designadas pelo nome especial de cada uma
O que isso tudo tem a ver com a história de Pedro ? é que o ´´canto do galo´´era expressão usada naquela época no império Romano para se referir ao toque da trombeta tocada pelo soldado romano avisando a todos o final da terceira vigília da noite, ou seja, três horas da manhã. No primeiro século, assim em Jerusalém como em todas as cidades importantes dominadas pelo império romano, esse toque da trombeta era conhecido como o ´´ Canto do galo´´.
Portanto, se isso realmente foi dessa forma, Jesus estava identificando a hora exata da ultima negação de Pedro: Segundos antes das três horas da manhã era chamado em latim de ´´ gallicinium´´ e de ´´alektorophonia´´. e em grego e ambos significavam em portugues ´´ o canto do galo´´. Essa expressão romana adveio do fato de que os galos normalmente cantam de madrugada, em bora não haja horario previsto para as aves o fazerem.
Pra encerrar e finalizar. Jesus estava querendo dizer que Que no final da terceira vigília da noite que seja três horas da manhã Pedro o Negaria. o Canto do galo então é o Barulho da terceira trombeta Que no final da terceira vigília da noite que seja três horas da manhã.
Veja o Pedro antes e depois....
Um bom observador, quando lê os Evangelhos, percebe logo que Pedro é um sujeito de temperamento extrovertido. Com efeito, entre os doze discípulos de Jesus, ele é o que mais aparece, o que mais se manifesta e o que mais fala. Por causa de suas atitudes precipitadas e “bolas-fora”, podemos até dizer carinhosamente que ele é “uma figura”.
O Evangelho não revela, mas, como todo extrovertido, ele deveria ser risonho, simpático, brincalhão, comunicativo, espirituoso, barulhento, tomava sempre a iniciativa e deveria fazer amigos com facilidade. Por outro lado, ele tinha também as fraquezas de seu temperamento. E isso os escritos revelam. Veja alguns exemplos:
Pedro era um falador. Falava o que lhe vinha na boca sem pensar:
“E Pedro começou a repreender Jesus, dizendo: Senhor, de modo nenhum te acontecerá essas coisas que disseste. Jesus, porém, voltando-se, disse a Pedro: Afasta-te de mim, Satanás; porque não compreendes as coisas de Deus, mas só as dos homens.” (MT 16:22-23)
Tinha pouco controle sobre suas emoções:
“Simão Pedro feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. Mas Jesus repreendeu-o: Põe tua espada na bainha! Não beberei eu o cálice que o Pai me deu?” (JO 18:10-11)
Tornava-se covarde quando a coisa “apertava pro lado dele”:
“Uma criada, disse a Pedro: - Tu também estavas com Jesus! Mas ele negou: - Não sei o que dizes. Em seguida, outra criada disse: - Este também estava com Jesus. E ele negou outra vez com juramento: - Não conheço tal homem. Daí a pouco, aproximando-se os que ali estavam, disseram a Pedro: - Verdadeiramente também tu és deles! Então começou ele a praguejar e a jurar, dizendo: - Não conheço esse homem. E imediatamente o galo cantou. Pedro saiu dali e chorou amargamente.”Dai para Frente Pedro Mudou Completamente e Foi Um Homem Muito Usado Por Deus Veja... (MT 26:69-75)....
Estas são apenas algumas passagens mais famosas da vida de Pedro. Existem muitas outras que você pode conferir nos textos selecionados abaixo. Porém, quando lemos os Atos dos Apóstolos, que na seqüência da Bíblia é o primeiro livro depois dos Evangelhos, encontramos um “outro” Pedro. Fica até difícil acreditar que o Pedro dos Evangelhos é o mesmo dos Atos, dada a diferença entre eles.
Se nos Evangelhos, Pedro negou Jesus diante de uma criada (que não tinha valor nenhum naquela época), nos Atos, Pedro enfrenta multidões e as maiores autoridades de Israel.
Veja alguns exemplos:
“Pedro, porém, pondo-se em pé com os onze, levantou a sua voz, e disse à multidão: Homens judeus, e todos os que habitais em Jerusalém, escutai as minhas palavras.” (AT 2, 14)
“E disse Pedro: Não tenho ouro nem prata; mas o que tenho isso te dou. Em nome de Jesus Cristo, levanta-te e anda.” (AT 3, 6)
No Sinédrio, diante dos doutores da Lei, “Pedro disse: Principais do povo, e vós, governantes de Israel. Sabei que é em nome de Jesus Cristo, aquele a quem vós crucificastes e a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, que este homem está curado diante de vós.” (AT 4, 8-10)
Frente a essa transformação, uma pergunta se faz inevitável: “o que aconteceu na vida de Pedro entre os Evangelhos e os Atos dos Apóstolos?” A resposta é simples: “o que aconteceu foi Pentecostes!” Foi o Espírito Santo que transformou aquele pescador rude, medroso, sem autodomínio, num homem corajoso, ousado, sábio.
A obra que o Espírito de Deus realizou na vida de Pedro foi maravilhosa, pois ele agiu justamente nas deficiências do temperamento extrovertido que Pedro tinha. Se antes Pedro era medroso, ele se tornou corajoso. Se antes não tinha autodomínio, depois ele conquistou um alto grau dessa virtude, a ponto de se oferecer para ser crucificado de cabeça para baixo, sem resistir.
Se antes ele falava sem pensar, veja as falas de Pedro depois de Pentecostes, veja as cartas que ele escreveu para as comunidades nascentes: é sabedoria divina, profunda, que já dura dois mil anos e ainda é atual. Não tem nada de palavras impensadas.
Aí a gente pode questionar: ah...! Mas era “ Pedro”, ele conviveu com Jesus... Tudo bem. Mas será que Jesus escolheu Pedro por causa de suas virtudes? Se nós observamos bem os evangelhos, veremos que não. Jesus o escolheu “apesar” de suas fraquezas. Ou, melhor, escolheu-o “por causa” de suas fraquezas, para mostrar que para nós também é possível, pois Pedro era um homem como qualquer outro.
Quem de nós, em sã consciência, pode negar que é medroso, que fala o que não deve, que fere os outros (com espada ou com a língua) como Pedro? Quem de nós pode dizer que não tem fraquezas e que não cai muitas vezes, como caiu Pedro? Por isso Pedro é um alento: ele também caiu e caiu feio. Ele errou, aprontou, mas o Espírito de Deus o transformou....O Galo Cantou!!!....
E por outro lado, ele é um estímulo: se aconteceu com ele, que era tão “como eu sou”, por que não pode acontecer comigo? Será que eu sou mais fraco do que era Pedro antes de receber a efusão do Espírito Santo? Talvez não.
O mundo precisa de mais Pedros: homens que reconhecem suas fraquezas, mas não as usam como desculpa. Homens que se deixam transformar pelo Espírito Santo e acreditam na força dessa transformação.
Que tal fazer a experiência? Se aconteceu com Pedro, pode acontecer comigo e com você. Talvez o Senhor não queira que nós realizemos obras grandiosas, como realizou Pedro. Mas com certeza Deus quer a transformação do nosso comportamento. E isso é possível. Não é uma utopia. Pedro é a maior prova. Para tanto, basta querer de todo coração, pedir a efusão do Espírito Santo e começar a agir confiando no poder desse mesmo Espírito.
Contando com a graça de Deus e esforço próprio você poderá ter o mesmo êxito de Pedro. Se ele conseguiu levantar e dar a volta por cima, certamente você também conseguirá!....Não espere o Galo Cantar....
Que O Senhor nos abençoe e nos guarde em nome de Jesus, amém!