sábado, 28 de janeiro de 2017

OS QUE ESPERAM NO SENHOR
O capítulo 40 de Isaías é uma profecia que procura dar conforto e consolo a Israel. O povo que se encontrava exilado estava beirando a desilusão. Eles foram os alvos primários da palavra. Para eles, no final do texto, Isaías afirmou em sua poesia profética que o Senhor não se cansa (no verso 28), fortalece os cansados (no verso 29), mas por outro lado, que o vigor da idade não somente tem limites como também não é garantia de sucesso e realizações (no verso 30).
Parece que o profeta está falando para o tempo de hoje. Para todo o lado que olho eu vejo uma geração cansada, estressada e impaciente. É para gente assim que Isaías conclui sobre os que esperam no Senhor: eles são diferentes. A esperança depositada em Deus nos faz viver sob novas perspectivas (veja o verso 31).
Os que esperam no Senhor são aqueles que experimentam o renovar de suas forças. Para dizer isto, o profeta usa de três ilustrações.
— Voam alto como águias. A águia no seu voo é capaz de obter uma visão panorâmica do mundo, bem como focar com precisão sua presa e seu alvo.
Os que esperam no Senhor da mesma forma conseguem voar e ver acima das circunstâncias. É uma visão diferenciada, privilegiada. Não ter as limitações do mundo e da vida de tribulações nos torna aptos de enxergar o que ninguém ver: de caminhar em lugares altos (como diz Habacuque em Hc 3:19). Esperando no Senhor eu posso focar meu olhar no poder de Cristo e não na dimensão dos meus problemas (tome como base as palavras de Jesus em Lc 18:27).
— Correm e não ficam exaustos. A fatiga física e mental é sempre um limitador daqueles que buscam um estilo de vida de alto desempenho.
Os que esperam no Senhor são capazes focar alvos maiores e a partir daí se mover em busca deles. Eles se põem a correr em direção do que conseguem ver: se movem baseados na fé. Na peleja da vida, a fé renova as forças (na sua pequena carta Judas afirma isto – verso 3). Esperando no Senhor eu posso prosseguir sempre ultrapassando as barreiras.
— Andam e não se cansam. O desânimo muitas vezes rodeia quem tem metas a atingir. Cansaço e frustração parecem companheiros de caminhada.
Os que esperam no Senhor, já por verem mais longe e se disporem à caminhada, encontram força na esperança e não desistem nunca. Mesmo que a meta pareça distante haverá sempre uma disposição firme de continuar na jornada (é excepcional a convicção íntima de Paulo em Fl 3:13-14). Esperando no Senhor eu posso permanecer disposto e inabalável em toda e qualquer situação.
As ilustrações apresentadas na poesia de Isaías são belas e ricas e devem nos inspirar a estabelecer nossa esperança no Senhor, pois somente ela poderá nos fazer ver, buscar e permanecer firme na jornada cristã. Que assim nos faça o próprio Senhor.
Bispo Anderson Camargo.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Derrubando muros e construindo pontes 
Efésios 2.14
“Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo derribado a parede da separação que estava no meio, a inimizade”

Vivemos em um tempo de ampla comunicação. Você pode conversar ao vivo com uma pessoa do outro lado do mundo olhando nos seus olhos e ouvindo a sua voz. Contudo, nunca as pessoas se sentiram tão solitárias como nos últimos tempos. Mesmo com tanta tecnologia e facilidade de comunicação, ainda parece que existem muitas barreiras para o relacionamento entre as pessoas.
Jesus rompeu as barreiras dos céus até a terra para estar junto conosco e também lutou para construir uma ponte para união da humanidade com seu Criador. Ainda hoje sua obra continua pela reconciliação de vidas através do evangelho.
Quais muros precisam ser derrubados em sua vida?
Quantas pontes você precisa construir?
Vamos refletir sobre a importância de construir pontes e derrubar muros:

1- Construir pontes: “porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um”
A construção de pontes representa construir laços entre as pessoas. Esta é uma tarefa cristã, pois o Espírito Santo “nos deu o ministério da reconciliação” (II Coríntios 5.18). Podemos fazer isso apaziguando os conflitos entre pessoas e ajudando a amenizar as dificuldades, sabendo que “bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus” (Mateus 5.9).
Exemplos de pontes que precisam ser construídas:
-entre pessoas que ainda não se conhecem;
-parentes que não se falam;
-amizades esquecidas;
-familiares que não convivem pela distância ou ocupação;
Quando você manda uma mensagem para um amigo que está longe, faz um telefonema, marca um encontro ou se faz presente em um momento difícil da vida de uma pessoa, você está construindo uma ponte. Esta ponte pode ser útil para você mesmo no futuro, quando precisar atravessar os ‘abismos’ de problemas da vida e estes amigos podem ser o apoio que você precisa.
Quando você deixa de responder um e-mail ou retornar uma ligação, fica uma lacuna entre você e a pessoa. Entretanto, atitudes como parabenizar por uma conquista, aniversário ou até mesmo um simples elogio formam uma ponte de relacionamento. Atitudes como dar um presente até ir a um velório de um parente de um conhecido, são formas de construir pontes para o futuro.
Você tem construído pontes?
Edifique amizades por onde passar!

2- Derrubar Muros: “tendo derribado a parede da separação que estava no meio, a inimizade”
Derrubar muros significa desfazer de barreiras ou diferenças entre pessoas. Embora as pessoas sejam diferentes por natureza, não precisamos enfatizar estas diferenças porque isso distancia as pessoas. Certamente as pessoas têm mais qualidades que defeitos. O potencial de cada um deve ser valorizado. Como cristãos, temos a tarefa de “preparai o caminho, tirai os tropeços do caminho do meu povo” (Isaías 57.14).
Algumas maneiras de derrubar muros:
-evitar ser crítico;
-falar de si mesmo, abrindo seu coração;
-perguntar como a pessoa está se sentindo e ouvi-la;
-colocar-se no lugar da pessoa;
-sempre dar mais uma chance;
Existem pessoas que constroem muros por onde passam e quando dão por si estão em confinamento. Estas pessoas ficam isoladas não pelos outros, mas porque foi fechando a si mesmo. Uma característica de quem constrói muros é que a pessoa não consegue ver o seu próximo. Está tão isolada em si mesma que não consegue enxergar quem está ao seu lado. Dentro de seus muros só pode visualizar seus próprios interesses.
Para relacionar com pessoas é preciso estar desprotegido de forma que nos tornamos passíveis de ser atingidos. É preciso correr este risco. Ficar isolado é mais perigoso do que estar exposto. O privilégio de não ter muros é poder ver e ser visto pelas pessoas para poder ajudar e ser atendido quando precisar de socorro.
Você tem derrubado muros?
Jogue por terra tudo que te separa das pessoas!

Construa pontes e derrube muros!
O Muro de Berlim caiu no dia 9 de Novembro de 1989[1], possibilitando o encontro de tantas pessoas que embora estivessem próximas, não podiam se ver. A ponte Rio Niterói foi inaugurada em 4 de março de 1974[2] aproximando mais ainda as pessoas destes lugares.
Na geografia da comunicação, sempre haverá rios que precisam ser transpostos através de pontes e barreiras que precisam ser derrubadas para que se encontrem.
Reflita em sua vida:
-muros que precisam ser derrubados para que você se relacione melhor com as pessoas;
-pontes que você precisa construir para se aproximar de quem está distante;
Se você construir pontes e derrubar muros, não ficará sozinho!
Bispo Anderson Camargo.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

MATEUS 14, 22-32

22 - E logo ordenou Jesus que os seus discípulos entrassem no barco, e fossem adiante para o outro lado, enquanto despedia a multidão. 

23 - E, despedida a multidão, subiu ao monte para orar, à parte. E, chegada já à tarde, estava ali só. 

24 - E o barco estava já no meio do mar, açoitado pelas ondas; porque o vento era contrário;

A nossa vida e nossa carne são açoitados por ventos contrários (tribulações) que ora se apresentam como um mar calmo (momentos que antecedem os problemas), ora pelo romper das ondas (quando as dificuldades são percebidas).

25 - Mas, à quarta vigília da noite, dirigiu-se Jesus para eles, andando por cima do mar.

Jesus tem propósitos para a nossa vida e vem ao nosso encontro.

26 - E os discípulos, vendo-o andando sobre o mar, assustaram-se, dizendo: É um fantasma. E gritaram com medo.

27 - Jesus, porém, lhes falou logo, dizendo: Tende bom ânimo, sou eu, não temais.

Não tenha medo dos propósitos que Deus tem para a sua vida, anima-te e fica em paz.

28 - E respondeu-lhe Pedro, e disse: Senhor, se és tu, manda-me ir ter contigo por cima das águas.

29 - E ele disse: Vem. E Pedro, descendo do barco, andou sobre as águas para ir ter com Jesus.

Quando o nosso coração está voltado para Jesus Cristo, as tribulações não nos impedem de caminhar e caminhamos, mesmo por caminhos difíceis e não imaginados antes. Ele está a nossa frente!

30 - Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou, dizendo: Senhor, salva-me!

Mas... Nós fomos feitos de carne e osso. A carne contradiz o espírito (Aos Romanos 7, 25), e então deixamos de enxergar a Jesus Cristo e enxergamos o problema. Aos olhos da carne tudo parece sem solução, e temos medo, os nossos olhos não veem a luz e nosso coração se afoga na angustia. Na dor, nos lembramos de Jesus Cristo e clamamos: Salva-me, Senhor!

31 - E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste?
Ele estava a sua frente (Lembra-se?) Ele disse: Vem... Ele sempre estará a sua frente ( Acredite!) para te levantar quando for preciso, quando você clamar Ele te atenderá...

32 - E, quando subiram para o barco, acalmou o vento.

Ele te colocará em lugar seguro e acalmará a tempestade. Creia!

Mateus 14, 22-32

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Benoni ou Benjamim?
Existe um potencial de fé na vida das pessoas capaz de transformar histórias, mudar situações e circunstâncias. Acomodar ou mudar? Ousar em usar esse potencial é que define nossa vida.
Jacó é dos patriarcas, e no seu contexto histórico vivenciou muitas lutas e crises. Recebeu a benção da primogenitura, mas se tornou fugitivo porque usurpou a benção que era de seu irmão Esaú. Lutou com um anjo até ser abençoado. Trabalhou 14 anos para seu tio Labão para ter Raquel como esposa, o grande amor de sua vida. Raquel sua esposa era estéril., mas Deus lhe concedeu dois filhos com Raquel: José e Benjamim.
Quando tudo parecia bem, de repente, Raquel morre no parto de seu segundo filho, nasce então "Benoni - filho da minha dor". Aqui é o ponto onde queremos refletir sobre as reações de Jacó no momento de dor e lagrimas, e que determinou sua história de êxito.
1. Benoni - Filho da dor
Raquel teve um parto penoso, enfraquecida, veio a falecer. Mas antes coloca o nome da criança de Benoni, que significa: filho da minha dor. Era o anúncio da tragédia.
2. Filho da resposta
Jacó então decide usar de sua paternidade para abençoar a criança. Jacó vem quebrar as maldições. Aquela criança era fruto de um sonho, era o filho da resposta de Deus. No capítulo 30 de Gênesis, ao conceber Raquel a José, ela diz: "Da-me Senhor outro filho".
3. Escrever uma nova história
Jacó segura o menino e começa a mudar a história da criança. Que culpa tinha a criança? Jacó tinha duas possibilidades: Lembrar da criança como razão da morte de Raquel, lembrar de tudo o que poderia ter vivido com sua amada, com isso alimentar no coração um ódio da criança, ou mudar a história do menino. E Jacó escolheu a segunda possibilidade.
4. Benjamim - Filho da felicidade
Jacó levantou e disse: "não vou aceitar essa situação, Benoni, não!" Avise a todos, que ninguém chamará o menino de Benoni, a partir de agora ele será chamado Benjamim, o filho da felicidade. Jacó muda o decreto sobre a vida da criança ao mudar seu nome.
Existe uma realidade espiritual. O que vivemos na terra é resultado do mundo espiritual. Mundo esse que está observando tua vida e tuas palavras. O que você declara diante as situações que vive gera lago positivo ou negativo no mundo espiritual, que trará suas consequências aqui na terra. Benoni ou Benjamim, quem você escolhe ser?
A minha dor precisa gerar felicidade. Não deixe ninguém usar das suas dificuldades para tirar sua fé ou zombar de você. A tristeza de hoje será transformada em alegria amanhã, a luta em vitória, o medo em coragem, a fraqueza em força. Escolha ser Benjamim.
Confira Gênesis 35:16-19.
Bispo Anderson Camargo.