terça-feira, 14 de janeiro de 2014



       O PRUMO NA MÃO

                                                                        “Pois quem despreza o dia dos humildes começos, esse alegrar-se-á vendo o prumo na mão de Zorobabel… ” Zacarias 4: 10a
Introdução: Ageu, Zacarias e Malaquias são os últimos livros do velho testamento, e são livros proféticos. Também são estes três que profetizaram após o retorno do povo judeu que se encontravam exilados na Babilônia. Zacarias foi um profeta que induziu o povo a reconstrução do templo, assim como fez Ageu. Ambos atuaram no mesmo período, que datam de 520 a.C. O livro de Zacarias é considerado o Apocalipse do antigo testamento. O Senhor concedeu oito visões ao profeta Zacarias, que tanto era sacerdote, como profeta. Ele nasceu na Babilônia. Na quinta visão, o Senhor diz ao profeta que o prumo está na mão de Zorobabel. Sob o governo de Zorobabel iniciou-se o trabalho da reconstrução do templo; mas logo se desanimaram, e pararam a construção por 15 anos. Depois deste “humilde começo”, Zacarias anima o povo a retomarem a construção, e, em quatro anos foi concluído.
Desenvolvimento: Os começos podem ser humildes, pequenos, mas não podemos desprezar. Como Zorobabel que não se importou por este humilde começo, mas com o prumo na mão concluiu a obra. O prumo na mão indica que tinham trabalho a se fazer; que ele estava disposto a recomeçar… No novo testamento vemos uma passagem tremenda que irá nos desafiar a “com o prumo na mão” completarmos a obra do Senhor; mesmo que o começo seja humilde. Em João 6: 5-12 vemos Jesus com sua equipe de doze. Cada discípulo tem sua personalidade. Uns são mais dinâmicos, outros mais amorosos, mas todos são discípulos. Na equipe de Jesus, nós temos os discípulos que estavam mais em evidência; e os discípulos que podemos dizer que ficavam atrás dos bastidores; não apareciam, mas tinham seu valor. Quem eram os discípulos de mais evidência? Pedro, Tiago, João. Tínhamos também os menos evidentes que são: Bartolomeu, André, Filipe… Nesta passagem de João 6, Jesus provoca Filipe dando-lhe um desafio: “… onde compraremos pães para lhes dar a comer?”. Filipe aumenta o desafio dizendo que sete meses de salário não seriam suficientes… Quanto drama! Filipe não estava com o prumo na mão. Filipe desprezou o “humilde começo”. Tem pessoas que são assim, percebem o desafio, e conseguem aumentar, multiplicar o problema, e não resolvê-lo. André, com o prumo na mão, aponta uma direção, um “humilde começo”. André andava a sombra de seu irmão Pedro (que ele mesmo o havia levado a Jesus), mas decidiu sair do anonimato. André entendeu o que era uma equipe. Jesus da um desafio a Filipe, mas André estava envolvido com Jesus e com a equipe. “O problema de Filipe, é problema meu também”. Quantos se omitem ao verem um irmão seu enfrentando desafios… Nós temos o intercell, mas eu não vou me envolver, não estou organizando… Temos o casamento coletivo, mas não fui chamado para ajudar… Somos desafiados a ganhar três vidas neste mês, mas eu não sou o líder (e a glória será dele…). Será que você esta desprezando os humildes começos ou está com o prumo na mão para concluir as obras? Quem despreza os humildes começos são extremamente críticos, não somam; aumentam os problemas. André valorizou os humildes começos com o lanchinho de alguém. André era um discípulo de bastidores, mas estava com o prumo na mão! Ele viu um humilde começo (cinco pães e dois peixinhos), mas valorizou, e a obra foi concluída, e quem desprezou; ao ver o resultado, se alegrou…
Conclusão: Zorobabel e André são tipos de discípulos que necessitamos na obra. Filipe era discípulo, mas não estava com o prumo na mão, e desprezou os humildes começos. Que tipo de discípulo é você? Mesmo que você seja um Filipe, pega o prumo na mão. Incentive seu irmão a concluírem a obra. A muito a se fazer; alguns estão envolvidos apenas com seus interesses, mas existem ainda Zorobabel e André, que com o prumo na mão concluirão a obra do Senhor. “A mão diligente dominará, mas a remissa será sujeita a trabalhos forçados.” Provérbios 12: 24 e “Medita estas coisas e nelas sê diligente, para que o teu progresso a todos seja manifesto.” 1ª Timóteo 4: 15

Você foi abençoado através desta mensagem? Então entre em contato conosco, queremos ajudá-lo em sua caminhada com Cristo. Se você quiser contribuir com este ministério, seja um Mantenedor da Obra de Deus contribuindo com qualquer valor depositando na caixa economica federal Ag.4069 Operação 003 C/C 00000602-7 em nome da Igreja Unidos Em Uma Só Fé. Que Deus Abençoe sua vida

Um comentário:

  1. “Mostrou-me também assim: e eis que o Senhor estava sobre um muro levantado a prumo: e tinha um prumo na sua mão.
    E o Senhor me disse: Que vês tu Amós? E eu disse: Um prumo. “Então disse o Senhor: Eis que eu porei o prumo no meio do meu povo Israel”. Am. 7: 7,8


    Estamos de passagem por este mundo, peregrinos somos, a cada dia enfrentamos desafios e chegamos a perguntar: Será que Deus está me provando? Ou o que está querendo me ensinar?


    Na verdade os olhos de Deus nunca se apartaram de nós; como um pai cuidadoso, ele a cada dia quer ensinar-nos algo novo, fortalecer a nossa fé, influenciar no fortalecimento do nosso caráter cristão, e fazer-nos caminhar em retidão.


    Há lições fáceis de assimilar, outras são mais difíceis, isso não quer dizer que Deus tenha prazer em ver-nos aflitos ou amargurados para então nos ensinar lições novas, mas é fato que ele nos ensina através das turbulências que enfrentamos. Tribulações podem transformar-se em grandes lições de vida, que nos ajustam e nos nivelam segundo a sua vontade.


    Amós foi um profeta de Deus no 8º século AC. Na terceira visão que ele teve, viu o Senhor medindo Israel com um prumo (um cordão com um pêndulo em uma das extremidades). O prumo é usado pelos construtores para manter a verticalidade das paredes. Naquele ato revelava o exame feito por Deus sobre a conduta de Israel, pois ele havia feito uma planta original para o seu povo. Porém no exame Israel foi encontrado fora do prumo.


    Em uma construção muitas ferramentas são usadas, grandes e pequenas, mas o prumo é uma das mais simples e mais baratas, mas de uma importância impar, tanto que, é a que mais se utiliza, e sem ela não se pode construir um prédio, uma casa, uma parede. Um prédio levantado sem prumo não tem segurança, fica torto, oferecendo perigo para quem está dentro ou próximo a ele, pois a qualquer momento poderá ruir.


    A Bíblia é o prumo de Deus que verifica se estamos no nível ou não, ela afere a nossa conduta, o nosso proceder. O crente que está esperando a volta de Jesus precisa estar no prumo de Deus, no nível da Palavra. Não podemos viver dos “achismos”, mas segundo a verdade, e a Palavra de Deus é a verdade. Jesus na oração sacerdotal disse: ”Santifica-os na verdade, a tua Palavra é a verdade”Jo. 17: 17


    Muitos cristãos envergonham o Evangelho, seguindo a corrente do mundo, se nivelando ao mundo, se identificando com o mundo e suas paixões, levando uma vida de derrotas, com altos e baixos; porque não aceitam ser aferidos e nivelados pela Palavra de Deus. O nosso espírito, alma, e corpo precisam estar no nível da vontade de Deus.


    Deus está com o seu prumo na mão, sobre um muro levantado a prumo, segundo a visão; isso fala de segurança, firmeza. Qual seria o resultado se fossemos examinados pelo prumo de Deus? É uma boa pergunta; cada um examine-se a si mesmo, e responda para si mesmo. Se o prédio está torto, vamos derrubá-lo ou implodi-lo, reconstruindo-o pela planta original com o prumo de Deus. Prédio reconstruído, decoração se faz necessária: o amor, o perdão, a misericórdia, a bondade, a benignidade etc. O mundo está carente destas virtudes, e quem lhes poderá oferecê-las? Nós, como povo escolhido de Deus.


    Breve Jesus voltará para levar o seu povo, estarão de fora os que estão fora do prumo e não queiram ser reedificados. Ainda é tempo, “Humilhai-vos pois debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte. 1 Pe. 5: 6

    ResponderExcluir

A cura da filha de Jairo. “Então um homem chamado Jairo, dirigente da sinagoga, veio e prostrou-se aos pés de Jesus…” (Lc 8:41)   Ao lermo...